Missionárias Combonianas
Provincia Moçambique-Africa do Sul (MOSA)

Missão do Lurio-Chipene

Missão do Lurio-Chipene

A Paróquia de Lúrio,  situada no norte de Moçambique, na província de Nampula, distrito de Memba, Diocese de Nacala; conta com uma extensão de cerca de 3.500 km2. A missão foi fundada em 1908 pelos padres de Goa e, em 1959 os Missionários Combonianos transferiram-na  para o posto administrativo de Chipene, a cerca de 90 Km do distrito de Memba.  Com uma população aproximada de 50.000 habitantes, pertencentes ao povo macua, dos quais os 20% são cristãos.
Desde 1986, por motivos da guerra, os Padres Combonianos passaram a residir na missão de  Alua, a 70 Km da localidade de Chipene,  e desde ali assistiram à paroquia de Lúrio. Os cristãos com a presença constante das irmãs, mantiveram a sua fé, e as comunidades continuaram-se a reunir e a ter formação constante, caminhando junto as outras paroquias da Diocese. Embora rodeados por uma população muçulmana, e outras seitas cristas em expansão. Atualmente a paróquia conta com dois padres Italianos da Diocese de Pordenone : P. Lourenço Barro, e P. Loris.

A paróquia tem 131 comunidades, e organiza a sua pastoral, através dos diferentes ministérios. No trabalho pastoral existem grandes desafios como por exemplo a economia familiar da população que é depende só do trabalho da agricultura; grande parte da população é analfabeta; a cultura macua limita “em alguns aspectos” o crescimento da fé em Jesus Cristo; o valor evangélico da perseverança é pouco visível; a responsabilidade paterna, ainda não está bem enraizada nem compreendida, pois, por ser uma cultura matrilinear, é o tio materno quem tem a autoridade na família. A presença da religião muçulmana e de várias seitas religiosas, além da religião tradicional, causam sincretismos, e confusão, prevalecem práticas culturais tradicionais, não concordes com o cristianismo.
A Comunidade das irmãs combonianas, situa-se em Chipene, a 90 km da vila de Memba, sede do Distrito homónimo.

Em Chipene funciona a Escola Primária até 7ª classe e a Escola Secundária, até 10ª classe.  Funciona um Lar feminino, das irmãs missionarias combonianas,  para acolher  às meninas que moram no interior do distrito, longe das escolas.
Existe um Centro de Saúde, nacionalizado nos anos da revolução administrativa; que oferece consultas externas, internamento, maternidade, programa de consultas pré-natais e vacinações, acompanhamento específico dos tuberculosos, crianças desnutridas também o serviço de acompanhamento e tratamento de doentes infetados com HIV Sida.
Desnutridos e orfãos
Ir. Angeles Lopes, espanhola; de profissão enfermeira tem trabalhado  vários anos na saúde, nos hospitais da província de Nampula no norte de Moçambique.  Ela agora na missão de Chipene da assistência às crianças desnutridas e órfãos.  Para ajudar na alimentação e no crescimento das criança se dá  leite e papinha; feita com produtos locais: folhas de mandioca, gergelim, farinha de milho, açúcar, amendoim. Iniciamos com 30 crianças, e para este ano 2018 temos 19 crianças, porém cada dia aumentam mais, pois chegam dos arredores da missão.

Justiça e Paz e Integridade da Criação
Ir. Paula Ciudad, espanhola; trabalhou em outros países como Equador, Brasil e agora no Moçambique. Ela, faz parte da comissão diocesana de Justiça e Paz. Nas paróquias existe representantes a nível de zona e de comunidade, os mesmos que recebem uma formação, fundamentada na Doutrina Social da Igreja, tendo em conta os Direitos Humanos, estudo da Constituição de Moçambique, estudo da lei da Terra y práticas para cuidar a “casa comum”.

O objectivo desta pastoral é de sensibilizar a sociedade (especialmente os cristãos) na relação que existe entre fé e vida como forma integral da pessoa humana, além de procurar ajudar nos diferentes problemas sociais que destroem a vida das pessoas. Por isso, esta comissão tem como prioridades:
- A defesa dos direitos Humanos: contra o abuso sexual de menores, a violência doméstica , a violência contra as viúvas e menores etc.
- Respeito à Lei da terra: contra a usurpação da terra, a abatida de árvores, e transporte ilegal de toros, etc.
- Preservação da natureza: Dando a conhecer as autoridades , alerta-las para os mais diversos crimes que se cometem contra a natureza.
As áreas de acção destes responsáveis da justiça e paz são: os hospitais, escolas, prisões, comunidades, e em qualquer lugar onde tem alguma injustiça.

Promoção da mulher
Todas as comunidades das irmãs missionárias combonianas têm como objectivo e prioridade a formação e promoção da mulher.

Na paróquia de Lúrio, as irmãs combonianas acompanham os grupos de mulheres “mamãs” que tem encontros de formação, programados pela Irmã encarregada junto com ás mulheres coordenadoras das 6 regiões que formam a paróquia.
Recebem uma formação na Diocese, com temas que se vão trabalhando nas diferentes zonas e comunidades. Os temas estão baseados na vida em família, educação dos filhos, o papel da mulher no lar, o aborto, o casamento prematuro, a mulher e a Igreja.
A partilha nos encontros é algo importante, elas sentem-se livres de falar seus problemas, suas alegrias, a espontaneidade da dança e das brincadeiras, os teatros fazem dos encontros momentos de alegria, de esperança.

Educação - lar

Para ajudar na promoção da mulher em Chipene, e evitar os casamentos prematuros e a gravides precoce; as irmãs combonianas criaram um lar feminino que permite ás meninas que ficam distantes da escola, continuar com seus estudos.

Ir. Angelita Miniguano Narvaez, equatoriana é a responsável direta do lar, mas todas as irmãs colaboram na formação das meninas. Atualmente  no lar se acolhe meninas desde 5ª Classe até 10ª classe, hoje são  24 meninas vindas das diferentes comunidades da paroquia de Lúrio, das quais 12 são cristãs e 12 muçulmanas.

No lar além da ajuda nas disciplinas escolares, as meninas recebem uma formação humana, e de valores, e dá-se importância ao trabalho na machamba, para que com o seu trabalho, possam ajudar-se a ter uma melhor alimentação .

Familias

O trabalho desta comissão na Paróquia é de suma importância, é um desafio! pois, a estrutura familiar na realidade macua além de ser diferente,  existem outras dificuldades como o divorcio, o abandono, a  infidelidade, etc. Em todo isto, os filhos são os que ficam abandonados , ou encarregados a outros parentes ou amigos.
A irmã  Angelita Miniguano, responsável deste sector trabalha junto com os responsáveis regionais e zonais nas comunidades, acompanha, escuta e dão formação para poder caminhar na formação de verdadeiras famílias cristas .
Cada ano realiza-se uma iniciativa para animar estes grupos de casais, no ano 2017 se fez a renovação dos casamentos de quem tem 10-15 e 20 anos de casamento.

IAM (infancia e adolescencia missionaria)
Às crianças e adolescentes são a esperança e futuro da Igreja e do Mundo, acreditamos que uma formação missionária é necessária para abrir suas mentes e seus corações.
Programa-se junto com os responsáveis regionais e os responsáveis das comunidades (chamados de assessores) as actividades para todo o ano com iniciativas novas: como por exemplo, no mês de Outubro de 2017, visitaram as casas das famílias, cristas e não cristas, rezaram, cantaram e abençoaram as casas; deixaram em cada lar, uma cruz de palha construída pelos jovens. As pessoas agradeceram e muitos muçulmanos pediam rezar nas suas casas; foi um encontro inter-religioso, bem aceite por todas as pessoas, os que gostaram da iniciativa dos jovens. Outras iniciativas é a  dar uma mensagem do Evangelho, visitar doentes, visitar diferentes realidades , paróquias etc.
Os grupos são inconstantes já que os adolescentes sobretudo ás meninas casam muito cedo, e abandonam o grupo.
Nos grupos exige-se que todas as crianças estudem, para poder incentivar ao mesmo. Na formação, alem dos temas de animação missionaria, estudamos temas sobre os valores humanos.

Formação de lideres – catequistas

A formação de catequistas e os lideres é a base para que uma paróquia cresça na Fé. As irmãs da comunidade de Chipene, cientes disto,  oferecem uma formação periódica aos catequista, lideres e responsáveis dos diferentes ministérios, tudo isto,  com os padres e a ajuda dos formadores que dão esta formação na língua local.